Telelaudo: o que é e como funciona

Precisaríamos de vários artigos como este se fossemos contar aqui toda a história da Medicina para você entender onde estamos, porque viemos e para onde vamos. O desejo do homem em dirimir problemas físicos e prolongar a vida e o bem-estar, em todo o tempo, acompanhou sua existência. O desenvolvimento de novas tecnologias nunca impactou tanto na Medicina como hoje em dia.

Raio-X, ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética. Telerradiologia e telelaudo. Uma união que traz palavras capazes de fertilizar a imaginação. Nossos olhares aqui estarão para as duas últimas modernidades apresentadas, pois, a partir de agora, você irá entender definitivamente como o telelaudo e a telerradiologia estão carregando a saúde para um novo ciclo e abrindo inúmeras possibilidades dentro do setor da telemedicina.

Interessante é que, se dermos um realce à palavra telerradiologia ou telelaudo, buscando seu significado através de pesquisas de opinião popular, muito provavelmente poderiam ser encontradas expressões como “doutor virtual”. Alguns poderiam até imaginar um médico “surgindo” em sua frente através de um holograma para analisar uma imagem de um raio-x, por exemplo. Mas estamos longe disso, pelo menos por enquanto.

Mas o que é Telelaudo?

O telelaudo nada mais é do que um laudo médico realizado a distância, ou seja, por médicos que se encontram em um local diferente do local onde o exame foi realizado (em outra cidade e/ou estado, por exemplo). E quais as vantagens disso? Há várias! Dentre elas, podemos mencionar a possibilidade de acesso a médicos mais especializados e qualificados para a elaboração dos laudos, resultando em diagnósticos mais assertivos. Outra vantagem é a maior rapidez na elaboração dos laudos, evitando atrasos na entrega aos pacientes e permitindo que o tratamento seja implementado mais rapidamente. Vale a pena mencionar também que a contratação de uma empresa de telelaudo (ou laudo a distância por telerradiologia) possibilita a redução de custos para hospitais e centros de imagem. E sim, da mesma forma que um laudo “convencional” (elaborado in loco), o telelaudo também é analisado e assinado por um médico radiologista especialista, todavia isso é feito através de ferramentas e plataformas digitais.

Verdade é que, mesmo com os benefícios de sua utilização sendo propagados com mais força recentemente, o telelaudo já existe há anos e ainda pode ser referenciado ao século que deu início à telegrafia. Isso porque há dados históricos em grandes bibliotecas sobre, por exemplo, como as redes de transmissão de dados com base em linhas telefônicas foram eficientes para transmitir registros de eletroencefalogramas (EEGs) para diagnosticar exames de áreas rurais.

Nos dias atuais, empresas de todo o mundo, como a STAR Telerradiologia, utilizam a tecnologia para a transmissão de dados e armazenamento em nuvem através de plataformas digitais, em ambientes seguros e criptografados, de fácil acesso e em tempo real. Dessa forma, os laudos são entregues aos hospitais e serviços de radiologia de origem de forma ágil e segura. O tempo médio de entrega de laudos de exames urgentes pela STAR, por exemplo, é de apenas 34 minutos.

Imaginar como um laudo pode ser feito de forma digital e em tempo recorde, já é incrível. Mas você sabe como ocorre todo esse processo, desde a realização do exame até a emissão do laudo?! Tentaremos explicar de forma bem resumida. Quem opera o equipamento de raio-X, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, por exemplo, é um tecnólogo em radiologia (não é um médico!) ou um biomédico. As imagens são obtidas em formato digital, que são transmitidas pela internet para um servidor na nuvem de uma empresa de telerradiologia. Neste ponto, as imagens podem ser acessadas pela equipe de médicos radiologistas da empresa de telerradiologia, que as interpretam e redigem o laudo médico, que é emitido com assinatura digital e disponibilizado em tempo real para o hospital ou clínica que contratou o serviço de telelaudo.

Tudo bem. Mas, quando estamos falando de saúde, é válido sim perguntar: esse processo é regulamentado e legalmente permitido? Sim. A Anvisa e o Conselho Federal de Medicina regulamentam a prática da telerradiologia no Brasil através de normas que versam sobre segurança de imagens e informações clínicas dos pacientes, tipos de exames passíveis de telelaudo, exigência de transmissão de imagens em conjunto com dados clínicos do paciente, e outros temas. Podemos afirmar que a STAR atua em total conformidade com a regulamentação vigente, além de ter seus laudos elaborados somente pelos médicos radiologistas especialistas mais conceituados do país – esta, contudo, é uma regra que não é exigida, mas nós não abrimos mão.

Concluímos, então, que a utilização de um serviço de telerradiologia traz diversas vantagens para paciente, clínicas e hospitais, possibilitando diagnósticos mais rápidos e assertivos, a custos acessíveis.

Se você é um paciente, pergunte em sua clínica de radiologia ou hospital em que realiza exames sobre a modernização através de laudos a distância. E se você é responsável por serviço de saúde, não hesite em começar uma conversa com a STAR Telerradiologia; nós podemos ajudá-lo a melhorar a saúde e a qualidade de vida de seus pacientes através de nosso conhecimento, equipe e tecnologia. Vamos conversar!

Solicite um teste grátis para conhecer os benefícios do serviço de Telelaudo

Entre em contato. Deixe seu comentário e compartilhe este artigo em suas redes ou com seus amigos e grupos profissionais.

Um grande abraço e até a próxima!