Auto-compressão para exames de Mamografia: Pesquisadores avaliam a efetividade

A auto-compressão das mamas pela própria paciente durante o exame de mamografia pode não aumentar o desconforto e não diminuir a qualidade das imagens médicas, de acordo com estudo publicado no JAMA Internal Medicine.

“Por causa do desconforto, muitas mulheres receiam fazer o exame de mamografia, mesmo sabendo de sua importância”, comenta Philippe Henrot e seus colegas, do departamento de Radiologia do Instituto de Câncer Lorraine Alexis Vautrin na França. “Este desconforto / receio foi observado no período da avaliação periódica. Muitas delas reportam que a dor e desconforto são as principais causas da não realização do exame.”

Várias técnicas já foram avaliadas para contornar esses desconfortos e melhorar o atendimento em saúde para mulheres, indicam os autores. Umas das técnicas é a auto-compressão, em que a paciente controla a compressão sobre seus seios durante o exame. Para explorar a efetividade desta técnica, a equipe avaliou dados de exames de mamografia realizados entre 2013 e 2015 em 6 centros de imagem na França. Todas as pacientes avaliadas: (I) tinham idade entre 50 e 75 anos, (II) eram aptas a aplicar a auto-compressão, (III) não tinham nenhuma história recente de cirurgia ou tratamento mamário.

O estudo foi dividido em 2 grupos: o grupo de controle com 273 pacientes, em que a compressão foi realizada de forma convencional; e o grupo em estudo com 275 pacientes, em que foi feita a auto-compressão. Os dados avaliados pelos autores indicaram que:

  • Espessura de aperto: houve uma diferença entre a mediana da espessura medida de um grupo para o outro, porém esta diferença estava dentro dos limites aceitáveis de tolerância estatística;
  • Força de compressão: a força de compressão foi maior no grupo com auto-compressão nas 4 vistas da mamografia;
  • Dor: a dor sentida pelas pacientes foi estatisticamente menor no grupo com auto-compressão;
  • Qualidade das imagens: não foi reportada nenhuma diferença na qualidades das imagens geradas pelo exame de mamografia entre os 2 grupos;
  • Efeito diversos: nenhum desconforto ou dor foi reportado pelas participantes do grupo de auto-compressão.

Os resultados foram positivos. Mas há algumas limitações no estudo, como a não avaliação da dosagem de radiação e o tempo que levou para cada paciente fazer a auto-compressão.

Finalmente, os autores concluem que “O método de auto-compressão não parece ser inferior que o método de compressão convencional para atingir a espessura mínima do exame,”  e indicam que o método da auto-compressão mamária pode ser uma alternativa efetiva para aumentar o comparecimento de pacientes aos exames periódicos de mamografia.

O artigo completo publicado na JAMA Internal Medicine pode ser encontrado em: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/article-abstract/2723076.